sábado, 13 de agosto de 2011

As aventuras de Robinson Crusoé (1902) - Georges Méliès.

Dos filmes de Georges Méliès aos quais eu já tinha assistido, este não estava incluso. Como sempre, surpreendi-me com sua posição visionária e, como sempre, tenho aquele frio na barriga de estar em íntimo contato com algo produzido há mais de 100 anos, e que representa o ínicio de uma arte (cortes em fade-in eram como ouro). Fascinante. Ótimas memórias tenho de filmes antiquíssimos pertencentes a uma era do cinema em que um mágico era necessário para produzir efeitos visuais, e o experimentalismo ainda não era uma opção. Numa era do cinema em que a narrativa ainda dava passos de bebê e era estranha, e em que o cinematógrafo não era considerado um instrumento rudimentar de filmagem. Numa era em que os filmes produzidos nos parecem hoje toscos, broncos. E realmente são.

video

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

O sal que serpenteia.

Serpenteiam por entre as rugas
Vagueiam vãs por memórias feias
Pouco importa o quanto as enxugas
Co’elas vacilas, serpenteias

Embora do deleite cilhem
Por vezes inocência tragam
Pela pele, do tempo virgem,
Inocência logo lh’apagam

Vergonha e medo, suas compartes
Ou enigmas, pura alacridade
Burburinhos, dores, mil artes
U’espinho, quer fira, ou agrade

Um ar triste que em riso torna
Bestiais, riem-se n’oras de dor
Abissais, vêm co’a estranha e morna
Ventania que segue teu alvor

No momento - em que se vão
Vê-se o dulçor, age o rigor
Curioso aquele olvidamento
Do choro tido nascimento

Graças a ele – o triste esqueces
O mal que seja, poupa as preces

--------------------------------
* Poema escrito em 11.08.2011 (mesmo dia da postagem).