sábado, 13 de agosto de 2011

As aventuras de Robinson Crusoé (1902) - Georges Méliès.

Dos filmes de Georges Méliès aos quais eu já tinha assistido, este não estava incluso. Como sempre, surpreendi-me com sua posição visionária e, como sempre, tenho aquele frio na barriga de estar em íntimo contato com algo produzido há mais de 100 anos, e que representa o ínicio de uma arte (cortes em fade-in eram como ouro). Fascinante. Ótimas memórias tenho de filmes antiquíssimos pertencentes a uma era do cinema em que um mágico era necessário para produzir efeitos visuais, e o experimentalismo ainda não era uma opção. Numa era do cinema em que a narrativa ainda dava passos de bebê e era estranha, e em que o cinematógrafo não era considerado um instrumento rudimentar de filmagem. Numa era em que os filmes produzidos nos parecem hoje toscos, broncos. E realmente são.

Nenhum comentário:

Postar um comentário