quinta-feira, 9 de junho de 2011

As homenagens (04/10/2009).

Nota: Este tópico foi escrito por mim em um blog antigo, atualmente inativo. Resolvi postá-lo aqui por vir novamente a mim o princípio criativo de homenagem, e por mera nostalgia de uma época em que eu podia escrever mais sobre coisas as quais eu apreciava.
Na ida e vinda de epifanias e grandes intelecções, deparamo-nos com ilustres fontes de júbilo interno, e ao observá-las, damo-nos conta de que não são meras imagens e indicadores; mas algo além das imagens e indicadores, que nos atinge e nos desperta vontade de criar; de produzir. A Arte e o que ela inspira é um grandioso exemplo disso, assim como eventos históricos, acontecimentos familiares...
Com isto, quero me referir às riquíssimas fontes de inspiração que encontramos dia após dia. Tocam-nos o Espírito, portanto merecem cuidadosa e sincera referência, e a elas dedicamos nossas singelas mas significativas - adoro esta expressão - homenagens: odes, lindas endechas, longos ou curtos poemas, hinos, canções singulares, escritos briosos, obras de Arte valorosas... tudo o que vem a ser um reconhecimento artístico considerável e abstrato àquilo que nos mantém acesos através da inspiração. Sinto-me sempre na inclinação de fazer isso, e o vejo como nobre ação individual a ser perpetuada. A bela e tenra homenagem...

Imagem: Athena aconselha Diomedes, o grande rei de Argos, antes da batalha (Schlossbrücke, Berlin). Grande fonte de inspiração, digna de grandes homenagens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário